1775

Prefeitura Municipal de Mata de São João

Pular para o conteúdo

Ações de proteção à fauna são mantidas em Mata de São João

Fonte: Ascom
15/05/2020 às 15h59

Noticia

Galeria com imagens e vídeos sobre a matéria


As ações de monitoramento e relocação de fauna continuam a ser desenvolvidas em Mata de São João mesmo durante a pandemia, seguindo as recomendações da OMS e decretos municipais. Os Parques e áreas de proteção seguem como opção para as pessoas poderem se exercitar por serem áreas abertas, amplas e arejadas.

Os colaboradores que desempenham suas tarefas nesses locais, para garantir a segurança e bem estar das pessoas que estão frequentando, estão equipados com os equipamentos de prostração necessários para a prevenção do Covid-19. Com a redução de pessoas frequentando essas áreas, os animais silvestres passaram a ser vistos com mais frequência, sendo que o mês de abril contou com o maior número de relocação de fauna dos últimos seis anos da realização da atividade.

De acordo com Fabio Lima, Biólogo e gestor do Parque Klaus Peters, “com menos pessoas nas ruas e por Mata de São João ainda manter uma quantidade significativa de florestas, os animais passaram a ser vistos com mais frequência pelos quintais e nas proximidades de residências instaladas perto das áreas de floresta”, aponta Fábio.

Ainda segundo ele, “as pessoas que permanecem em suas casas isoladas socialmente também estão experimentando e exercitando a observação da natureza, já que muitas delas são vizinhas de manchas de vegetação e estão mais tempo em suas casas”, conta o biólogo.

Os trabalhos de pesquisa também seguem suas atividades dentro das recomendações de segurança em virtude da pandemia. Algumas ações tiveram que ser readaptadas, mas as câmeras seguem registrando a ocorrência dos animais na área do Parque Klaus Peters, e novas armadilhas fotográficas serão instaladas em novos pontos da floresta.

As pesquisas com a preguiça de coleira foram mantidas na reserva sapiranga após a primeira campanha de captura, realizada em março. Segundo Fabio, que também integra a equipe de pesquisa do Instituto Tamanduá, o monitoramento através de rádios transmissores, instalados nos animais, são realizados duas vezes por semana e irão fornecer informações importantes da disposição desses animais na área.