1775

Prefeitura Municipal de Mata de São João

Pular para o conteúdo

Prefeitura começa obra de drenagem no Portão do Lunda

31/07/2020 às 12h33

Noticia

Galeria com imagens e vídeos sobre a matéria


A Prefeitura de Mata de São João iniciou ontem (30) a drenagem de um barramento que tem causado transtornos para a comunidade do Portão do Lunda, na Zona Rural. Nos dias de chuvas fortes, uma lagoa tem transbordado e alagado algumas casas. O local era cercado de mata, mas foi ocupado irregularmente ao longo dos anos.

Operários da Secretaria de Obras e Serviços Públicos (SEOSP) fizeram um canal, que já escoa a água para uma bacia próxima. Após a secagem da lagoa e o estudo das características ambientais e de macro drenagem da área, serão feitas intervenções para disciplinar o curso pluvial da bacia e tornar o local seguro.

Foram construídas casas muito próximas, que são inundadas quando a lagoa transborda. Os pontos mais críticos da origem dos alagamentos estão em um terreno particular, que foi cedido pelos proprietários para o Município realizar as intervenções. Trata-se de um pleito antigo dos moradores, atendido pela gestão municipal, através de suas lideranças e da SEOSP.

De acordo com o engenheiro da Prefeitura, Fernando Almeida, as construções de casas e o desmatamento nas proximidades provocaram um barramento natural na lagoa, que faz com que a água se acumule. “Com a drenagem e o esvaziamento da bacia poderemos analisar sobre quais as intervenções definitivas realizaremos”, explica o engenheiro.

O secretário de Obras e Serviços Públicos de Mata de São João, Áureo Franco Júnior, detalha que o Município já começou o estudo de como será feito o disciplinamento dos cursos pluviais, tanto nas ruas próximas, quanto nas bacias. “O objetivo é preservar os moradores das enchentes e dos alagamentos. É um problema que começou com a ocupação indevida, mas que o Município não está poupando esforços para promover o bem-estar das pessoas que ali estão”, destaca.

Maria Neuza, de 47, reside em um dos pontos mais críticos. Ela conta que no mês de maio perdeu quase todos os seus pertences, quando o nível da lagoa subiu e alagou sua residência. “Foi na véspera dos dias das mães. Foi um susto muito grande. Precisamos que alguma coisa seja feita para isso não acontecer mais”, lamenta.